1. Início
  2. Artigo
  3. Discriminação no mundo corporativo em face da idade do trabalhador

Discriminação no mundo corporativo em face da idade do trabalhador

Importante decisão do TST abre discussões sobre a necessidade de políticas de inclusão por parte das empresas de pessoas de idade na admissão e manutenção da relação empregatícia. Isso porque na fundamentação do julgamento foi destacado diversas normas que protegem os trabalhadores de atos discriminatórios por parte das empresas, quais sejam:

1a.   artigo 5º, caput, da Constituição, que estabelece o princípio da igualdade, na Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 1º);

2ª .  Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que trata da discriminação;

3ª .   Convenção 168 da OIT, relativa à promoção do emprego e proteção contra o desemprego;

4ª. Lei 9.029/1995, que proíbe práticas discriminatórias no trabalho,  entre outros.

O relator do recurso de revista, ministro Agra Belmonte, destacou que desse arcabouço jurídico,  observa-se a notável “diretriz geral vexatória de tratamento diferenciado à pessoa em virtude de fator injustamente qualificante”, principalmente no âmbito das relações trabalhistas.

Entenda o caso: A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou a reintegração imediata ao emprego de um eletricitário da Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-GT), do Rio Grande do Sul, diante da demonstração de que ele fora dispensado arbitrariamente em razão da idade. A determinação deverá ser cumprida no prazo de cinco dias. O eletricitário afirmou que trabalhou na empresa de junho de 1982 a março de 2016, quando foi dispensado, sem justa causa, aos 57 anos de idade, com cerca de 180 outros empregados. Na reclamação trabalhista, ele disse que, no ano anterior, o presidente da empresa havia anunciado a intenção de desligar os empregados aptos a se aposentar pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), “como forma de resolver os problemas da CEEE” .Além da falta de negociação e de motivação, ele sustentou que a demissão fora ilegal e discriminatória, em razão do critério adotado para a seleção dos empregados alvo do desligamento massivo. O juízo de primeiro grau condenou a empresa a reintegrar o empregado, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) afastou o caráter discriminatório e entendeu que, embora tenha atingido os empregados mais velhos, o critério utilizado fora objetivo, impessoal e aceitável. Segundo o TRT, os trabalhadores já aposentados ou na iminência de se aposentar tinham maior possibilidade de subsistência, justificada pela existência de fonte de renda diversa (os proventos da aposentadoria ou o saque de quantia elevada do FGTS).Além da falta de negociação e de motivação, ele sustentou que a demissão fora ilegal e discriminatória, em razão do critério adotado para a seleção dos empregados alvo do desligamento massivo. O relator do recurso de revista do empregado para o TST, ministro Agra Belmonte, relator, destacou que, no voto vencido do julgamento do TRT, foi reconhecido que o desligamento massivo de empregados se dera de forma unilateral e com base, apenas, no critério de idade. Para o ministro, é notória a ilegalidade e o abuso de direito praticados pela empresa. Em seu voto, ele ressaltou que o ato arbitrário da empresa, sob o pretexto de direito adquirido à aposentadoria, importou em ofensa ao princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, inciso III, da Constituição da República).

Diante desse contexto, reconhecendo a nulidade da dispensa, a Turma, por unanimidade, determinou a reintegração do trabalhador, com restabelecimento de todos os benefícios, inclusive o plano de saúde, e o retorno dos autos ao Tribunal Regional para que prossiga no julgamento do feito.(Processo: RRAg-21738-31.2016.5.04.0201, julgamento em 30.08.2021 – www.tst.jus.br)

Foto: Andrea Piacquadio – Pexels

Vamos estudar?

Nenhum resultado encontrado.

Nenhum resultado encontrado.

Sua opinião é importante! Deixe um comentário!

Aprofunde seu conhecimento

Menu